1.2

UM PROBLEMA DE PODER: D. FREI VITORIANO PORTUENSE, BISPO E/OU GOVERNADOR INTERINO DE CABO VERDE (1688-1690)  

Matilde Mendonça dos Santos
Centro de História de Além-Mar
Centro de História da Sociedade e da Cultura
matildemsantos@yahoo.com.br

Este estudo pretende analisar o desempenho de D. Frei Vitoriano Portuense, no período em que exerceu, simultaneamente, as funções de Bispo e de Governador Interino de Cabo Verde, entre 1688 e 1690, demonstrando o problema de poder gerado pela acumulação de dois dos cargos mais importantes da esfera civil e eclesiástica.
Centrando-nos particularmente no exercício do poder eclesiástico e/ou civil, procura-se realçar as polémicas verificadas entre D. Frei Vitoriano Portuense e algumas autoridades locais, principalmente o Ouvidor-Geral e a vereação. Neste contexto, o objetivo essencial é o de identificar as conturbadas relações entre o Antístite/Governador e os outros organismos de poder, bem como as principais motivações de muitos conflitos ocorridos ao longo do período referido.
A incursão, para além de evidenciar aspetos relevantes da atuação do Bispo/Governador, mormente o alargamento do seu campo de ação, estabelece comparações com outros agentes, que assumiram o cargo de governadores interinos do arquipélago, tendo em atenção o período em que estas funções foram assumidas pelos bispos com o propósito de percecionar as transformações institucionais ocorridas durante este espaço de tempo, por comparação com o sucedido em períodos anteriores e posteriores.
Pretende-se ainda avaliar a conjuntura em que certas medidas foram levadas a cabo por D. Frei Vitoriano Portuense, para perceber se as mesmas foram tomadas especialmente enquanto Bispo ou enquanto Governador Interino de Cabo Verde, tendo sempre presente os limites e as competências dos distintos cargos, nos diferentes domínios de intervenção.
Outro aspeto a salientar é o impacto da acumulação dos dois poderes na mesma personalidade. Isto porque as transformações institucionais decorrentes da ação do Prelado/Governador afetaram, direta e indiretamente, as diferentes instâncias de poder local.
Por fim, procura-se demonstrar que o problema de sobreposição de poder criado durante este Governo Interino só ficou resolvido com a intervenção régia, através da nomeação de um novo Governador para as ilhas.

Palavras-chave: D. Frei Vitoriano Portuense, bispo, governador interino, poder, Cabo Verde

Nota biográfica
Matilde Mendonça dos Santos.
Investigadora do Centro de História de Além-Mar e do Centro de História da Sociedade e da Cultura. Mestre em História Moderna: Poderes, Ideias e Instituições e licenciada em História – Ramo de Formação Educacional pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Lecionou na Escola Secundária Pedro Gomes em Cabo Verde (2004-2008) e na Escola EB 2/3 Eugénio de Castro em Coimbra (2003-2004).