11.2

PARA UMA COOPERAÇÃO SUSTENTÁVEL

Alfredo Caldeira
Administrador do Arquivo & Biblioteca da Fundação Mário Soares acaldeira@fmsoares.pt

1. A cooperação com a Guiné-Bissau e Cabo Verde tem sido uma das prioridades de intervenção da Fundação Mário Soares nos últimos dez anos, a par de iniciativas levadas a cabo em outros países da CPLP.
2. Realidades diferentes exigem soluções diferentes – estamos a falar de arquivos em situações (institucionais e organizativas) diferentes, ainda que, muitas vezes, complementares, quer no período colonial, quer no período da luta de libertação, quer em fases do seu percurso como países independentes.
3. A introdução das novas tecnologias de informação e a capacitação dos quadros locais representam traços comuns das necessidades de ambos os países e que, como tal, têm sido fundamentais no desenho das acções programadas.
4. Neste sentido, a Fundação Mário Soares interveio em ambas as situações com propostas diferenciadas mas de base similar: equipamento + formação + divulgação.
5. Em ambos os caos, o acolhimento das instituições e dos seus funcionários revelou-se positivo – tendo, designadamente, em vista:
5.1. A salvaguarda de documentação historicamente relevante e/ou em perigo;
5.2. A possibilidade de disponibilizar na internet grande parte dessa documentação;
5.3. A divulgação, através de exposições e colóquios, das principais riquezas desses arquivo.
6. Soluções relativamente simples e partilhadas como as levadas a cabo nestes e noutros países da CPLP permitem encarar o desenvolvimento futuro da cooperação a partir de bases mais sólidas e inovadoras.
7. O reforço das acções de cooperação, e a sua sustentabilidade conjunta, exige a definição prévia de objectivos e de calendários, de meios técnicos, humanos e financeiros a afectar a cada projecto e exige também o seu cumprimento atempado e a sua monitorização regular – de nada servem acções fugazes e alheadas de uma estratégia definida oportunamente.
8. É assim que se tem vindo a preparar uma plataforma comum na internet para agregar documentação de diversas instituições (públicas e privadas) de diversos países da CPLP, reforçando também os instrumentos de tratamento local desses documentos e acolhendo informação contextual (cronologias, estudos, biografias, etc.) que ajude ao acesso e melhor compreensão dos conteúdos disponibilizados e que são, afinal, os testemunhos da nossa memória histórica.

Palavras-chave: Cabo Verde, Guiné-Bissau, FMS, arquivos, memória