2.4

“SÓ UMA CARTINHA”:O FLUXO DE COISAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES TRANSNACIONAIS EM CABO VERDE

Andréa de Souza Lobo
Universidade de Brasília, Brasil
andreaslobo@yahoo.com.br

O objetivo desta apresentação é tratar das formas como as pessoas mantêm e fortalecem seus sentidos de pertencimento a lugares ou grupos concretos ou imaginados por meio de redes de comunicações. O foco está no fluxo de coisas entre redes transnacionais entre emigrantes cabo-verdianos e seus parentes que permaneceram no país. Trata-se de uma rede intensa e diversificada envolvendo laços de parentesco num contexto de distância física prolongada tanto no espaço quanto no tempo. Os fluxos em questão consolidam laços sociais, culturais e familiares entre migrantes e suas comunidades de origem num complexo sistema de trocas e circulação de presentes, dinheiro e informação que mobiliza tanto os que emigraram quanto aqueles que ficaram. O argumento é baseado no diálogo entre os dados etnográficos e trabalhos que têm explorado os fluxos transnacionais de pessoas, capital e bens num contexto de globalização. Argumento que o caso da emigração cabo-verdiana, apresenta novas perspectivas a este debate e que o fluxo de encomendas entre familiares distantes é uma via privilegiada para discutir vertentes diferenciadas dos processos migratórios contemporâneos.

Palavras-chave:

Nota biográfica
Andréa Lobo
é doutora em Antropologia Social pelo Programa Pós Graduação em Antropologia Social do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. Atualmente é professora da Universidade de Brasília. Realiza pesquisa em Cabo Verde desde o ano 2000 sobre organização familiar em contextos de fluxos de pessoas, objetos e valores