3.1

DA COLONIZAÇÃO AO PÓS-COLONIALISMO: PARA UMA NOVA LEITURA PERIODOLÓGICA DA CONTEMPORANEIDADE HISTÓRICA DA GUINÉ-BISSAU

Leopoldo Amado
Uni-CV
CES/Universidade de Coimbra
leopoldo.amado@gmail.com

Em termos periodológicos, é generalizado a concepção de que a contemporaneidade Histórica africana começa, sobretudo, a partir das guerras de ocupação e/ou das guerras de resistência africana à ocupação colonial ou ainda, alternativamente, a partir do período estruturante da pós-segunda grande guerra. No entanto, recentes estudos, sobretudo os atinentes àquilo a que se convencionou denominar de “pós-colonial”, têm vindo a interpelar os estudiosos para a necessidade de uma reformulação dos pressupostos periodológicos da contemporaneidade histórica africana e, também, concomitantemente, das perspectivas epistemológicas de abordagem histórica. A nossa comunicação procurará pois, a partir da historicidade da Guiné-Bissau (que reputamos de específica e particular), introduzir este debate que nos parece essencial alicerçar-se a partir de outras experiências historiográficas, desde logo, as do mundo lusófono (africano ou não), por serem àquelas que nos são comuns e mais próximas, justamente por se afigurarem essenciais para o incremento do estado actual do conhecimento neste domínio histerográfico de particular importância metodológica e até epistemológica.

Palavras-chave

Nota biográfica
Leopoldo Amado,
Licenciou-se em História pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, concluiu o curso de Pós-graduação em Relações Internacionais (Estudos Islâmicos) pela extinta Universidade Internacional de Lisboa, e frequentou o curso de Mestrado em Estudos Africanos no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa. Concluiu em 2007 o Doutoramento em História Contemporânea pela Universidade de Lisboa e actualmente, além da actividade de docência na Uni-CV, em Cabo Verde, conduz um projecto de pós-doutoramento no CES/Universidade de Coimbra