10.5

O ECOTURISMO COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO NA GUINÉ-BISSAU: UMA ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL

Fernanda Oliveira
foliveira@ipleiria.pt
Bruno Rego
bruno.rego@ipleiria.pt
Antónia Barreto
antonia@ipleiria.pt
Filipe Santos
fsantos@ipleiria.pt
Instituto Politécnico de Leiria

O Instituto Politécnico de Leiria tem vindo a participar em projetos que se enquadram na cooperação descentralizada com os “países do sul”, procurando partilhar as suas competências em áreas tão diversas como o turismo, novas tecnologias e ensino/formação. Por outro lado, estes projetos permitem ao Instituto adquirir know-how no âmbito da intervenção para o desenvolvimento.
Um dos projetos onde o Instituto foi chamado a intervir concerne na criação de uma nova oferta de ecoturismo na Guiné-Bissau, dinamizada por uma ONG para o desenvolvimento guineense, assente num paradigma de desenvolvimento alicerçado no envolvimento direto das comunidades locais e na otimização dos recursos naturais e culturais. Este projeto envolveu numa primeira fase a criação de um conjunto de infraestruturas e serviços de cariz turístico que foi posteriormente complementada com uma atuação a nível da formação e também no campo da divulgação e promoção.
Este artigo foca as mais-valias institucionais deste tipo de parceria analisando o contributo do IPL na identificação e criação dos instrumentos de divulgação que melhor se ajustam a projetos de ecoturismo numa perspetiva empresarial, educacional e cooperativa. Para o efeito é descrita a estratégia seguida, e que vai ao encontro da missão institucional do ensino politécnico uma vez que se optou por envolver os alunos dos cursos diretamente relacionados (turismo e educação multimédia), promovendo paradigmas de ensino contextualizado e significativo.
O resultado deste envolvimento culminou no website EcoCantanhez, fruto de um trabalho articulado entre os alunos das duas áreas de ensino supra mencionadas: aos de Turismo foi pedido um estudo de mercado mundial no que diz respeito a websites de promoção deste tipo de turismo, procurando encontrar e reunir boas práticas; aos de Educação Multimédia foi solicitado um plano estratégico de comunicação adaptado às características específicas do projeto e que estabelece neste primeiro momento a potenciação e divulgação do mesmo.

Palavras-chave: Ecoturismo, website, pedagogia, ensino participativo

Nota biográfica
Antónia Barreto
, professora no Instituto Politecnico de Leiria e investigadora do centro de estudos africanos-IUL.Consultora da Unesco na Guine-Bissau para a reforma da formaçao inicial de professores em 2010 e da UNICEF , em 2011, para a reforma do ensino basico.Colaboração com ONG portuguesas no ambito da educação e do desenvolvimento.