14

RECONHECIMENTO BOTÂNICO DA GUINÉ-BISSAU: ESTUDOS E MISSÕES DO IICT

Luís Catarino
Jardim Botânico Tropical, Instituto de Investigação Científica Tropical
Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, Universidade do Porto
lmfcatarino@gmail.com
Maria Manuel Romeiras
Jardim Botânico Tropical, Instituto de Investigação Científica Tropical
Centro de Biodiversidade, Genómica Integrativa e Funcional, Universidade de Lisboa
mromeiras@iict.pt
Maria Cristina Duarte
Jardim Botânico Tropical, Instituto de Investigação Científica Tropical
Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, Universidade do Porto
mcduarte@iict.pt

O estudo da flora e vegetação da Guiné-Bissau por investigadores portugueses iniciou-se no século XIX e foi intensificado em meados do século XX. Desde a década de 1930 até à independência do país em 1974 foram realizados numerosos trabalhos no âmbito da taxonomia vegetal, ciências florestais, etnobotânica e fitossociologia.
Após a independência da Guiné-Bissau, a exploração botânica e o estudo da vegetação tem sido prosseguida sob a forma de projetos de cooperação envolvendo instituições locais, quer estatais, como o INPA, o INEP, a DGA, a SEADD, quer organizações não governamentais, nomeadamente AD, IUCN e Tiniguena. Vários projetos têm sido também executados em colaboração com entidades nacionais, como o IPAD, a APA e o ICNB.
Mais recentemente têm sido executados projetos e consultorias no âmbito da ecologia da vegetação, cartografia do coberto do solo e quantificação da biomassa e do carbono armazenados na vegetação florestal da Guiné-Bissau. O IICT tem participado igualmente em atividades de monitorização de ecossistemas, em particular mangais e florestas costeiras.
Algumas atividades em execução estão relacionadas com a avaliação dos impactes sociais e ambientais da expansão da cultura do cajueiro, o conhecimento e validação das propriedades das plantas úteis, nomeadamente das usadas com fins medicinais e a gestão sustentável dos recursos naturais em particular da vegetação florestal.
A capacitação tem sido também uma vertente importante do trabalho desenvolvido pelo IICT em colaboração com entidades guineenses, nomeadamente através de estágios de curta e média duração no IICT, em cursos de curta duração na Guiné-Bissau, da formação durante as missões de trabalho de campo, da co-orientação de dissertações de estudantes guineenses em universidades portuguesas e da organização de seminários e workshops de divulgação de resultados de projetos em Bissau.
Nesta comunicação referem-se alguns dos contributos mais significativos para o conhecimento da diversidade e ecologia vegetal da Guiné-Bissau com a participação de investigadores do IICT.

Palavras-chaves: Flora, vegetação, explorações botânicas, Guiné-Bissau.

Nota biográfica
Luís Catarino, Doutor e Mestre pelo Instituto Superior de Agronomia, Licenciado em Biologia pela Faculdade de Ciências de Lisboa. É Investigador do Jardim Botânico Tropical do Instituto de Investigação Científica Tropical e membro do Centro de Investigação CIBIO.
A sua actividade científica tem sido desenvolvida na área da flora e vegetação da África Tropical. Tem trabalhado em Fitogeografia e Fitoecologia africanas, Alterações do coberto do solo, Cartografia da vegetação, Bases de dados taxonómicas e Etnobotânica, resultando na publicação de vários artigos científicos, capítulos de livros e livros. Tem liderado e participado na execução de diversos projetos de investigação.
Maria Manuel Romeiras
, Doutorada em Biologia (Biologia Molecular), pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Mestre em Protecção Integrada, pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa e Licenciada em Biologia ramo Científico pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Actualmente é investigadora no Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) e é membro do Centro de Investigação BioFIG. A sua actividade científica tem sido desenvolvida na área da Biologia Molecular direccionada para o estudo da Biodiversidade e Botânica Tropical, tendo nesta área de trabalho artigos científicos e capítulos de livros publicados.
Maria Cristina Duarte, Doutorada em Engenharia Agronómica, pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, e Licenciada em Biologia ramo Científico, pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Investigadora auxiliar no Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) é, atualmente, Diretora do Jardim Botânico Tropical e membro do Research Center in Biodiversity and Genetic Resources – CIBIO (Universidade do Porto). A sua atividade científica desenvolve-se especialmente nas áreas da Sistemática Vegetal, da Ecologia da Vegetação e dos estudos de Biodiversidade e Conservação em particular nas regiões tropicais, tendo publicado vários artigos científicos em revistas da especialidade, livros e capítulos de livros.