23

A PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DA PRAIA

José Eduardo Ventura
e-Geo/FCSH/UNL
je.ventura@fcsh.unl.pt
Euclides dos Santos
DGPR/FCSH/UNL
euclidessantos01@hotmail.com
Adilson Cabral
DGPR/FCSH/UNL
Kabral1@hotmail.com

Cabo Verde sendo um arquipélago insular, enfrenta vários problemas ambientais. Segundo o plano de Gestão de Resíduos, em Dezembro de 2003, a quantidade de resíduos sólidos urbanos (RSU) produzido a nível nacional era de 101.000 toneladas/ano, equivalente a uma capitação de 600 gramas/dia.
A falta de infra-estruturas de saneamento, a deficiente formação das populações e a falta de definição de normas ambientais controladoras da actuação das empresas comerciais e industriais, contribuem para a acumulação de resíduos sólidos e líquidos poluentes no solo, com destaque para os de origem urbana.
A deficiente gestão dos resíduos sólidos na Cidade da Praia foi e continua a ser o “calcanhar de Aquiles” dos órgãos municipais e dos munícipes contribuindo para a poluição ambiental e visual. A cidade não dispõe de aterro sanitário, e a deposição final dos RSU é feita numa lixeira a céu aberto com subsequente queima, constituindo um foco de poluição e uma séria ameaça à saúde pública.
Perante essa situação, a construção de um aterro sanitário constitui uma mais-valia à gestão dos resíduos. Dentro do leque de soluções para o tratamento dos RSU possíveis de viabilizar, o aterro sanitário é e será sempre, uma componente essencial de um Sistema de Gestão Integrada de RSU e uma solução omnipresente, quer no fim da linha como complemento indispensável de outros processos de tratamento de RSU, quer como solução única de tratamento (Levy e Cabeças, 2006).
No entanto, a localização de uma infra-estrutura deste tipo ao nível do município constitui um processo de planeamento complexo, pela necessidade de compatibilizar as variáveis sociais, ambientais e económicas, o que requer uma análise criteriosa destes parâmetros no intuito de mitigar impactos ambientais e socioeconómicos. No que diz respeito aos problemas de localização a correcta utilização das ferramentas dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) pode ser de extrema utilidade pois a sua capacidade para integrar um grande volume de informações espaciais, de diversa natureza, torna-os num instrumento fundamental de auxílio à tomada de decisão por parte das autoridades municipais.
O trabalho faz uma análise da problemática dos resíduos sólidos urbanos (RSU) na Cidade da Praia, focando a evolução das políticas adoptadas, a situação actual e as perspectivas para o futuro. Em relação ao futuro serão apresentados dois possíveis cenários: um optimista, com adopção de medidas e políticas eficazes de gestão dos RSU que inclui a construção de um aterro sanitário e sua localização em ambiente de Sistema de Informação Geográfica (SIG) e um cenário pessimista, caso nada seja feito.

Palavra-chave: Gestão de resíduos sólidos urbanos, Sistema de Informação Geográfica, aterro sanitário

Nota Biográfica
JOSÉ EDUARDO SILVÉRIO VENTURA
, Doutoramento e Agregação em Geografia e Planeamento Regional na especialidade de Ambiente e Recursos Naturais, FCSH/UNL. Professor Auxiliar, de nomeação definitiva, do DGPR e membro do e-Geo integrando o grupo de investigação: “Dinâmicas Ambientais e Socioeconómicas: Gestão para a Sustentabilidade”. Actuais Interesses de Investigação: climatologia, ambiente, recursos hídricos, mudanças globais, fenómenos climáticos e hidrológicos extremos e mudanças no uso do solo.
Euclides Antonio Tavares dos Santos (03/07/1980 Natural da Cidade da Praia, Santiago – Cabo Verde) Licenciado em Geografia pela UNICV Mestrando em Gestão do território – Especialização em Ambiente e Recursos Naturais
Adilson Vaz Cabral (03 de Junho de 1981 Local de Nascimento: ilha de Santiago, Cabo Verde) Licenciado em Geografia, ramo do Ensino, pelo Instituto Superior de Educação de Cabo Verde, no ano de 2005 Mestrando em Gestão do Território (2º ano): área de especialização em Detecção Remota e Sistema de Informação Geográfica.