24

ACÇÕES DE COOPERAÇÃO COM ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA O DESENVOLVIMENTO, NO ÂMBITO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

António Eduardo Leitão
Eco-Bio –  Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT)
antonio.leitao@iict.pt

O autor passa em revista as assessorias técnicas dadas a três projectos implementados na Guiné-Bissau, com financiamento europeu, envolvendo Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) portuguesas e guineenses, no âmbito do desenvolvimento rural e da segurança alimentar.
A primeira assessoria foi prestada ao “Programa de Desenvolvimento Comunitário de São Domingos – Kasumai”, promovido pela parceria entre as ONGDs portuguesas, Instituto Marquês de Valle Flôr e Associação para a Cooperação Entre os Povos, e a ONGD guineense Acção para o Desenvolvimento. Esta assessoria envolveu duas actividades: proposta de melhoria do processo de extracção e conservação do óleo de palma, com a realização de inquéritos para melhor se conhecer o processo tradicional de extracção e de comercialização do óleo de palma produzido em São Domingos e Cacheu; instalação de um laboratório de análises para avaliar a qualidade do óleo, em termos de acidez, teores de humidade e de impurezas, tendo sido dada formação em técnicas de análise a técnicos guineenses.
A segunda colaboração foi prestada na área das tecnologias adequadas de transformação e conservação de produtos agrícolas ao projecto “Guiné-Bissau, Produtos, Técnicas e Saberes da Terra”, projecto liderado pelo Centro de Informação e Documentação Amílcar Cabral e tendo como parceiro guineense a ONGD Tiniguena, em que foi dada formação a associações de camponeses produtores de arroz, óleo de palma, piripiri, vinagre de lima e óleo amargo. Geograficamente as acções foram implementadas em diferentes localidades: Abu (Ilha Formosa, Bijagós), Nova Sintra e Berculom (Zona Verde), Cabedu e Calaque (Cantanhez).
Por fim, a terceira colaboração foi dada ao projecto “Tebanke Urok: Desenvolvimento Comunitário no Grupo de Ilhas de Formosa, Guiné-Bissau”, liderado pelo Instituto Marquês de Valle Flor, tendo igualmente como parceiro guineense a ONGD Tiniguena, cujas actividades envolveram acções demonstrativas para melhorar a conservação de produtos piscícolas, por secagem solar e fumagem, assim como do óleo de palma, e propor soluções para construção e manutenção de canteiros para produção de sal. Destas actividades resultaram três monografias, “Manual de técnicas de transformação de produtos locais nas ilhas Urok: sal, pescado e óleo de palma”, “Processos de extracção e melhoramento do óleo de palma” e “Livro de receitas da cozinha da terra, Guiné-Bissau” (esta última da autoria de Fanceni Baldé).

Palavras-chave: Tecnologia, conservação, cooperação, desenvolvimento, Guiné-Bissau

Nota biográfica
António Eduardo Leitão Agrónomo de formação, com especialização em Agronomia Tropical, é Investigador auxiliar no Instituto de Investigação Científica Tropical, desenvolvendo a sua actividadeno âmbito da aplicação de tecnologias adequadas de transformação para conservação de produtos agrícolas. Ao mesmo tempo tem colaborado noutros projectos, nomeadamente na avaliação da qualidade do café. Tem igualmente desenvolvido acções de cooperação, na Guiné-Bissau, Cabo Verde, Timor-Leste, Angola e Moçambique.