03

«UMA JORNADA CIENTÍFICA NA GUINÉ PORTUGUESA» (1947) E A ARQUEOLOGIA EM A. MENDES CORRÊA (1888-1960)

Ana Cristina Martins
Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT)
ana.martins@iict.pt

Publicada em 1947, a obra de A. Mendes Corrêa (1888-1960), Uma jornada científica na Guiné portuguesa, descreve o seu périplo à Guiné no ano precedente, acompanhado por um dos seus assistentes diletos, Amílcar de Magalhães Mateus. Além de pormenorizar percursos, encontros e desencontros com gentes locais, administrações coloniais e membros de missões científicas, Mendes Corrêa tece considerações sobre o estádio de desenvolvimento dos estudos antropológicos da (então) África portuguesa, cotejando-o a modelos estrangeiros. Mas, porque a arqueologia era essencial na investigação antropológica, o autor introduz apontamentos clarificadores da sua posição quanto à relevância daquele saber, neles se entrevendo paradigmas bebidos numa literatura ainda prevalecente à época.
Procuraremos, pois, nesta comunicação, esclarecer o papel da arqueologia no programa antropológico de A. Mendes Corrêa, enquadrando-o em produções coevas, ao mesmo tempo que analisaremos material resultante da Missão Antropológica e Etnográfica à Guiné, cumprida por A. de Magalhães Mateus, tendo por pano de fundo o temário da interligação entre ciência e política colonial.

Palavras-chave: Mendes Corrêa, arqueologia, Missão Antropológica e Etnográfica à Guiné, ciência e política colonial.

Nota biográfica
Ana Cristina Martins,
Investigadora Auxiliar do Instituto de Investigação Científica Tropical, no âmbito do programa Compromisso com a Ciência, onde incrementa projetos na área da História da Ciência, em geral, e da História da Arqueologia, em particular. É Doutora em História, Mestre em Arte, Património e Restauro e Licenciada em História-variante de Arqueologia pela Universidade de Lisboa,em cujo Centro de Arqueologia – Uniarq –, coordena a linha “History of Archaeology in Portugal. Theoretical Issues”. Possui várias publicações na área da História da evolução do pensamento arqueológico, museológico e patrimonial, a maioria das quais resultante de comunicações apresentadas em encontros nacionais e internacionais. Lecciona na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, na qualidade de Professora Auxiliar Convidada, dirigindo a Secção de História do Património e da Ciência, do Grupo História, Memória e Sociedade do CPES – Centro de Pesquisa e Estudos Sociais, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.